20/02/2011

Trio Nagô 1955 “Trio Nagô” [Continental LPP 35]


Três vozes. A fórmula se repete a partir da década de 1920, como fenômeno musical nas Américas. Do country ao jazz norte-americano, passando pela música mexicana, cubana, andina, paraguaia e brasileira, todo o continente se comoveu com a formação de três vozes se irisando em matizes diferentes.

Dentre a infinidade dos trios vocais da música universal, merece destaque o Trio Nagô, que no Brasil, ao lado do Trio Irakitan, foram os melhores exemplos na arte de vocalizar em trio. Foi o Trio Nagô quem desbravou o caminho e modelou os padrões dos arranjos adotados mais tarde pelos outros trios brasileiros, inclusive o Irakitan. A fórmula musical soava mágica, misturava o som dos trios latinos com o som do agreste, com as histórias dos poetas repentistas, dos violeiros, pescadores e jangadeiros de olhar mareado, cantando mistérios e prodígios, valentes como cangaceiros.

No final da década de 1940, em Fortaleza no Ceará, o alfaiate Mário Alves costumava receber dois amigos pelas manhãs em sua pequena loja de costuras, para prosear e cantar. Mário cortava e costurava cantando, enquanto os amigos Evaldo Gouveia e Epaminondas de Souza o acompanhavam com voz e violão. A coisa não passava de brincadeira. Mário encerrava o expediente e voltava para casa, enquanto Evaldo e Epaminondas esticavam a cantoria até altas horas nos botecos de Fortaleza. Um dia alguém os ouviu cantando e os indicou para uma audição na rádio local. Pouco tempo depois, estavam no Rio de Janeiro representando o Ceará no programa do César de Alencar na Rádio Nacional. A apresentação lhes rendeu um contrato com a Rádio Jornal do Brasil no Rio de Janeiro. Era 1950.

Trio Nagô em fotografia promocional da gravadora Decca na França.

Dois anos depois, já haviam se apresentado nas mais importantes casas do Rio e de São Paulo e assinado contrato com a Rádio Record. Foram lançados diversos discos de 78 rotações e iniciaram as turnês nacionais. Os primeiros long-playings saíram pelas gravadoras Rádio, Sinter e Continental - mais tarde gravam também pela RCA Victor. Na TV Record, ganham programa próprio e fazem muito sucesso, com direito a fã-clubes de garotas gritando e suspirando por Evaldo e Epaminondas, os galãs boêmios do trio.

Acompanhando o êxito dos trios internacionais, fizeram turnês no México, Argentina, Uruguai e outros países da América Latina. Evaldo que tinha medo de avião - ia de ônibus para os shows pelo Brasil enquanto os companheiros voavam - agora era obrigado a cruzar os mares pelo ar. Nos Estados Unidos, gravaram programas de TV e discos de 78 rpms. Em seguida na Europa, obtêm êxito na França, Inglaterra e Portugal. Com a repercussão da temporada de Paris, o produtor Max de Rieux do selo Decca, contrata o trio para a gravação de mais uma coleção de canções lançadas em discos de 10 polegadas, compactos e 78 rpms. Gravações inéditas no Brasil. Na volta, são ovacionados e condecorados por autoridades pela divulgação da nossa cultura no exterior. Mesmo famoso, Mário Alves continua a trabalhar desenhando e costurando também para o Trio.

Esta história de sucesso que possui ainda outros capítulos, hoje corre o risco de ser esquecida. O Trio Nagô se quer é lembrado pelos historiadores. Depois de uma breve separação no final dos anos 50, o Trio se refez no início da década de 60, gravando alguns LPs, onde adotaram o repertório e a harmonia da bossa-nova com brilho, mas já sem o sucesso. O Trio Irakitan ocupou o posto com dignidade e qualidade. Evaldo Gouveia tornou-se compositor respeitado, fez história na série de sambas-canção escritas em parceria com Jair Amorim - são os autores de “Alguém Me Disse”. De Epaminondas e Mário pouco se soube, o Trio Nagô encerrou suas atividades em meio a desentendimentos e pouca visibilidade.

Em audição com o produtor francês Max de Rieux da Decca, Evaldo ao piano.

Neste disco, lançado pela Continental em 1955, o Trio Nagô é registrado na sua melhor forma. Estão aqui as clássicas “Aquarela Cearense” de Waldemar Ressurreição e “Mocambo de Paia” de Gilvan Chaves. Dorival Caymmi não poderia ficar de fora e comparece numa belíssima interpretação de “Dora”. Assim como Ary Barroso, sua “Terra Seca” [“...trabaia, trabaia negô...”] ganha versão definitiva e sua “Na Baixa do Sapateiro” também é interpretada com brilho. Vale destacar “Prece ao Vento” de Alcyr Pires Vermelho, Gilvan Chaves e Fernando Luiz, com assovios e efeitos para lembrar o vento. O conjunto que os acompanha também merece atenção, com percussão, piano, órgão, baixo acústico e acordeon, tudo muito discreto e eficiente. Ouve-se até uma guitarra elétrica em alguns momentos, saturada com dissonância inacreditável para a época... Seria obra do Evaldo Gouveia? Difícil dizer, mas a guitarra exótica está lá.

A fantástica capa deste disco foi desenhada pelo argentino Paez Torres, artista gráfico radicado no Brasil. Este é o Trio Nagô, um dos maiores mistérios da história da música brasileira.
~~~
Trio Nagô em foto do Stúdio Adolfo, São Paulo.

01 Prece ao Vento [Alcyr Pires Vermelho, Gilvan Chaves, Fernando Lobo] toada
02 Mocambo de Paia [Gilvan Chaves] toada
03 Terra Sêca [Ary Barroso] samba
04 Dora [Dorival Caymmi] samba
05 Aquarela Cearense [Waldemar Ressureição] samba
06 Na Baixa do Sapateiro [Ary Barroso] samba
07 Louco da Praia [Graça Batista, Alvaro Castilho] canção
08 Ladeira do Amor [Graça Batista, Amado Régis] corrido
Este disco é um presente do site Bossa Brasileira e não pode ser comercializado.

o Trio Nagô canta “Saudades da Bahia” de Dorival Caymmi no filme “Chico Fumaça” dirigido por Victor Lima, com arranjos para orquestra de Radamés Gnattali.

10 comentários:

yerdarlingdaily disse...

Thanks very much for this! What exactly is the difference between "toada" and "samba"?

thiago mello disse...

Hi yerdarlingdaily !! Thank you for your visit, glad that you appreciate our music.

Generally speaking the difference between "toada" and "samba" could be the same you can found between "blues" and "country".

"Toada" is a melodius slow tone music, sad and evocative. Related to inner Brasil, northeast seashores, popular on small country villages. A mix of medieval portuguese music, indian and caboclo chants.

"Samba" is fast and percussive, popular on big cities, mostly happy and sensual. It's rhythm was broght from Africa.

"Samba-canção" is a slow and melodious samba, popular in Brasil till the 60's, always recorded with big orchestras, and emotional voices.

Hope it helped you.

Juliana Espíndola disse...

Olá adorei o blog! Acabou que segui! To usando ainda o meu pessoal, depois irei seguir no que fiz de arte e tudo mais que a envolva! E sucesso ai! Muito bom mesmo! Ah nao conhecia o trio! Adorei o som!

beijos

Carros Juiz de Fora disse...

Parabens voce está dando aula de como fazer um Blog! Muitíssimo bem feito!!!

Acesse o Portal carrosjuizdefora.com.br são disponibilizados classificados para venda de veículos , semi-novos e usados, apoiados por um sistema que permite o contato direto com todos os vendedores/proprietários.

Carros Juiz de Fora

Érico Cordeiro disse...

Oi,
Convido você e seus leitores a conhecer o blog Jazz + Bossa:
www.ericocordeiro.blogspot.com
Abraços a até mais!

Bruna Andrade disse...

Muito legal este espaço, estou seguindo!
http://simoneemboacompanhia.blogspot.com/
@brfandrade

Deise Pacheco disse...

Lindo seu blog, a bossa nova é eterna nos corações de quem as vive até hj, abraços com carinho!!

Deise__RJ

Anônimo disse...

Amo Trio Nagô e quando tinha 10 anos a musica : Se alguém telefonar era prefixo de um programa na Rádio Xavantes de Ipameri, apresentado pelo Walter Chimaltz.
Fui la na Rádio ver o disco,era um 78 rotações da RÇA. Passaram se 51 anos e eu nunca mais ouvi essa musica. Então aqui pude ouvir grandes musicas deles e copiar o LP.
Mas o meu sonho é conseguir ouvir e pegar um link da musica se alguém telefonar.
Quero e preciso reviver todos aqueles encantos dos meus 10 anos de idade.
Grande abraço e procurem disponibilizar.Meu E-mail zordina@hotmail.com

C. Marshall disse...

Caros amigos, fico feliz em ver a obra do Trio, do qual meu pai, Epaminondas foi integrante. Ele continuou com o Trio pelos anos 70 com outra formação e depois cantou sozinho aqui no Rio de Janeiro principalmente, onde faleceu em outubro de 2004, de infarto. Meu pai fez shows até 3 meses antes de falecer. Valeu pelo resgate. Tenho visto muitas músicas do Trio pelo youtube e isso me enche de orgulho. Se não me engano, foram 6 discos lançados pela Decca, mas até hoje eu só vi a capa de dois. Abs a todos e valeu a força!

C. Marshall disse...

Meu nome é Claudio Marçal de Souza...rs